Pra quem não sabe eu não tive um pai; minha mãe teve alguém que a deixou quando ela ainda estava grávida de mim, cresci sem uma referência de uma figura paterna que cuida, que trabalha para trazer comida, roupas, conforto para dentro de casa; até mesmo alguém que levasse para passear, buscar na escola, coisas corriqueiras do dia a dia de quem vive com o pai.
Não senti falta de muita coisa; nem mesmo essas citadas a cima não me faltaram, vive com minha mãe e meus avós que me deram muito amor, me formaram como pessoa e me tornaram na pessoa que sou hoje.
Mas em contrapartida saber que foi "feita" por alguém que não te quis causava um certo sentimento de repúdio de mim mesma.

Sobre este dia, me incomoda muito.
Não tenho um nome para dar ao que sinto, para poder contar a vocês, mas é algo indiferente, eu não entendo o que possa ser comemorado, e porque as pessoas se importam...
Não é mais triste, nem sei se um dia foi; só é chato quando ainda me perguntam cadê ele, na infância era ruim mas hoje com meu sorriso sarcástico eu consigo responder na boa.
Este domingo eu preferia poder pular, passar dormindo talvez; para não presenciar os programas de tvs e suas homenagens, o sermão do Padre na Igreja e tudo ao redor.

E como a vida as vezes capricha nas pegadinhas, meu marido também passa pela mesma coisa que eu; pelo menos agora tenho com quem ficar nesse domingo, onde todos estão ocupados!





Deixe um comentário

Deixe sua opinião ficarei feliz em lhe responder!